Sequestro de arquivos digitais Ransomware

21
dez

E quando você acha que os criminosos já inventaram todas as “modalidades” possíveis de ataque, eis que surge uma novidade. A onda agora é o sequestro virtual – também conhecido como “ransomware”. Isso mesmo que você leu. Os sequestradores bloqueiam o computador da vítima, e solicitam dinheiro em troca da senha que irá destravar a máquina.

Além de computadores, o golpe também afeta dispositivos móveis. Estes, aliás, serão as principais vítimas dos cibercriminosos nos próximos meses. Um estudo realizado pela McAfee prevê um aumento no número de ransomware em dispositivos móveis durante esse ano.

Segundo a empresa de segurança, essa tendência se deve ao crescimento acelerado das plataformas móveis.

Imagine ter seu celular bloqueado completamente, perder o acesso a fotos, contatos e arquivos e ainda ter suas conversas de Whatsapp lidas por um estranho?

O ataque

Normalmente, o sequestro começa com um descuido do próprio usuário, que abriu um e-mail de phishing ou visitou um site malicioso criado pelo cibercriminoso.

Uma vez instalado, o programa malicioso bloqueia o acesso ao sistema do aparelho infectado. Essa barreira é criada com códigos criptografados, quase impossíveis de serem desvendados.

O resgate

Depois do bloqueio, os criminosos virtuais entram em contato com a vítima, por SMS ou por e-mail, solicitando uma quantia em dinheiro em troca do código de desbloqueio.

Infelizmente, muitas vezes o resgate pago é em vão. O número liberado pelos sequestradores é falso e não dá acesso aos arquivos. Além de perder dinheiro, o usuário perde também seu computador, ou smartphone, e as informações ali armazenadas.

A prevenção

Como foi dito, os sequestradores digitais usam e-mails e links maliciosos para se infiltrar. Não abrir mensagens de remetentes desconhecidos e certificar-se da segurança de um site antes de navegar são medidas importantíssimas para evitar o golpe.

Manter um antivírus atualizado, não só em computadores, mas também em tablets e smartphones, é essencial para barrar esses sequestradores.

E por fim, lembre-se de fazer um backup de seus arquivos periodicamente. Salve todos os documentos importantes em um HD externo ou serviço online (como o UOL Backup). Assim, caso você não consiga evitar o crime, pelo menos terá suas informações a salvo em outro dispositivo.

Share Button